Últimas Notícias

Conheça 5 santos que tiveram depressão

29 de julho de 2022

Conheça 5 santos que tiveram depressão

Há muito tabu na vida religiosa quando se trata em falar sobre depressão. Ainda que, infelizmente, se torna cada vez mais comum encontrar religiosos que sofrem com transtornos depressivos, e isso não é de hoje. 

Na história da vida consagrada há inúmeros relatos de santos, inclusive, cujas biografias – conforme dizem especialistas – apresentam características de depressão. 

O próprio Jesus Cristo, no Horto das Oliveiras, experimentou uma tristeza intensa, ansiosa, própria de pânico, que o fez suar sangue, segundo relatos bíblicos. Ele mesmo, precisou superar uma profunda desolação própria de quem perdeu o sentido da vida, ou manteve-se em medo intenso. 

A vida religiosa, portanto, não é um escudo contra as desolações da vida, ou seja, não nos isenta. Por isso, trouxemos 5 grandes santos que viveram momentos de depressão em sua história. 

1 – Santo Agostinho 

Um dos grandes nomes da santidade católica, reconhecido dentro e fora da Igreja, foi Santo Agostinho de Hipona. Sua história foi marcada por sua intensa busca pela Verdade, inicialmente buscada nos prazeres mundanos, mas só encontrada na Pessoa de Jesus Cristo. 

Agostinho contou, ao longo de sua vida, com a intercessão incansável de sua mãe, Santa Mônica, que rezou por sua conversão, que uma vez despertada, levou-o até à vida religiosa, tornando-o bispo. 

Após o falecimento de sua mãe, Agostinho viveu durante mais de quarenta anos momentos de depressão severa. Seu refúgio era a oração e ocupação apostólica e intelectual. 

2 – Santa Joana Francisca Chantal 

Durante 8 anos, Joana viveu um feliz e santo matrimônio com o Barão de Chantal. No entanto, uma tragédia ceifou a vida do seu esposo precocemente, o que a forçou a viver com seus filhos na casa do seu vaidoso e teimoso sogro, que lhe deferia insultos e humilhações. 

Tal rotina de sofrimentos a fez viver um forte tempo de depressão, sendo nos conselhos do seu amigo e diretor, São Francisco de Sales, que encontrou orientação: “Refresque-se com músicas espirituais, que muitas vezes provocaram o demônio a cessar as suas artimanhas, como no caso de Saul, cujo espírito maligno se afastou dele quando Davi tocou sua harpa perante o rei. Também é útil trabalhar ativamente, e com toda a variedade possível, de modo a desviar a mente da causa de sua tristeza”.

3 – Santo Inácio de Loyola 

A Companhia de Jesus, os jesuítas, é conhecida pela ousadia e ardor missionário que dominou boa parte dos continentes. Porém, o que poucos sabem é que seu fundador, Inácio de Loyola, vivenciou momentos de tristeza profunda e de depressão. 

Sua conversão foi seguida de dois fortes momentos: um de intensa escrupulosidade, no qual se penitenciava por qualquer erro, ainda que fosse venial, e um tempo de depressão, que chegou a motivar-lhe o suicídio.

A partir de suas experiências, Santo Inácio estabeleceu três conselhos para viver esses momentos de desolação: não desistir nem alterar uma boa resolução anterior; intensificar a conversa com Deus, a meditação e as boas ações; e perseverar com paciência, pois a provação é estritamente limitada por Deus, que dará o alívio no momento oportuno.

4 – Santa Teresa Benedita da Cruz 

“Encontrei-me gradualmente em profundo desespero… Eu não podia atravessar a rua sem querer que um carro me atropelasse e eu não saísse viva dali”. Somente uma alma atormentada pela depressão seria capaz de afirmar algo assim. Santa Edith Stein, judía, intelectual e filósofa, viveu fortes momentos de tristeza em sua densa biografia. 

Tal experiência a preparou para os grandes desafios que viveria no Campo de Auschwitz-Birkenau, quando veria as atrocidades desse tempo tão doentio e obscuro.

5 – São João Maria Vianney 

O pároco mais famoso da história da Igreja, São João Maria Vianney, também viveu momentos de depressão e tristeza. Mesmo diante de tantos feitos heróicos e extraordinários, São João Vianney, o Cura D’ars, não conseguia encontrar relevância no que fazia, dado um profundo complexo de inutilidade interior, sintoma da depressão que durou boa parte de sua vida. 

Em meio aos desafios, seu sustento era o Amor que tinha a Deus e ao seu vilarejo, que o movia a manter-se fiel ao trabalho missionário que desempenhava. 

Conclusão

A vida humana, seja secular ou religiosa, está vulnerável aos sofrimentos da vida. A saúde psíquica pode facilmente ser visitada pela depressão se não houver suporte profissional e o auxílio fraterno na sua caminhada. 

Portanto, não tenha vergonha de procurar profissionais ao identificar traços depressivos no seu cotidiano. O sofrimento não precisa ser vivido sozinho, compartilhe com suas autoridades.

Há muito tabu na vida religiosa quando se trata em falar sobre depressão. Ainda que, infelizmente, se torna cada vez mais comum encontrar religiosos que sofrem com transtornos depressivos, e isso não é de hoje.  Na história da vida consagrada […]