Volta Livre Soul movimenta chácara de Uvaia no final de semana

Retiro ocorreu no sábado, 27, e foi promovido pela Copiosa Redenção

A chácara Padre Wilton, no distrito de Uvaia, recebeu no último sábado, 27, o retiro “Volta Livre Soul” que contou com a presença de pouco mais de 250 jovens de Ponta Grossa e região.

Com uma temática semelhante ao que já é vivenciado, tradicionalmente, no carnaval, o ‘volta’ trouxe momentos de espiritualidade, louvor, pregação e animação para os jovens que participaram ativamente ao lado dos membros da Copiosa Redenção.

O retiro contou com a pregação dos religiosos, Irmão Higor, Irmão João Paulo, da Madre Tânia, além do idealizador do Projeto Escolhas, Júlio Borges.

Para a Irmã Nayara, CR o retiro foi uma forma de trazer mais sentido da presença de Deus na vida destes jovens: “Foi sensacional, incrível, obrigada a todos que participaram” – agradece

Veja todas as fotos do retiro acessando: https://abre.ai/fotosvoltalivresoul2022

Comunidade Terapêutica celebra 11 anos de fundação

CT Monsenhor Gabriel Mercol está localizada em Presidente Médici/RO

A Comunidade Terapêutica Monsenhor Gabriel Mercol comemorou, no último dia 26 de agosto, seus 11 anos de fundação.

Com capacidade para acolher cerca de 25 mulheres adultas com transtornos decorrentes do uso de substancias psicoativas, a CT está localizada na cidade de Presidente Médici, no estado de Rondônia.

O aniversário contou com a presença dos Irmãos e das Irmãs da Copiosa Redenção, bem como, das acolhidas e dos colaboradores da comunidade.

Para a Irmã Bruna Veras, CR – religiosa que chegou a menos de um ano da CT, celebrar este aniversário de 11 anos é uma grande alegria: “estar nesta cidade de Presidente Médici, RO, celebrando o aniversário de nossa comunidade é sinônimo de alegria. Esta comunidade é muito querida por todos que aqui vivem, e também, pelo pessoal da nossa região. É muito bom ver os frutos que a Copiosa Redenção traz para este lugar, diariamente, junto as nossas acolhidas, fazendo o processo terapêutico.” – Diz.

Conheça mais sobre a Comunidade acessando aqui.

Religiosa ministra curso sobre saúde mental para presbíteros no Rio Grande do Sul

Na última quarta-feira (17), a Irmã Elaine Cristina, CR – superiora da Comunidade Terapêutica Marta e Maria, de Porto Alegre/RS, ministrou um curso sobre saúde mental na vida sacerdotal para cerca de 50 presbíteros no CRECREI, em São Leopoldo/RS, local escolhido para sediar um curso de formação permanente para os sacerdotes da regional do Rio Grande do Sul.

Entre o tema ministrado pela religiosa, o encontro também abordou as temáticas “Liturgia: a arte de bem celebrar; Dimensão Psicológica do Presbítero; Saúde Física dos Presbíteros, Simbologia do Sagrado: tradição, ciência e fé; e a Identidade Sacerdotal. Houve ainda, um retiro espiritual, com a pregação de Dom Carlos Romulo, bispo diocesano de Montenegro.

Para a Irmã Elaine, CR – ter participado deste encontro foi uma experiência que enriqueceu sua vida, sua vocação e seu apostolado: “quero agradecer ao Padre Rudinei Lasch que me convidou pela segunda vez para participar deste encontro. Podemos trocar experiências e vivencias. É algo que enriquece a minha vida. Fica meu agradecimento por este encontro que foi muito importante.” – diz.

Retiro jovem “Volta Livre Soul” acontece este mês em Ponta Grossa

O evento ocorre no dia 27 de agosto e é promovido pela Copiosa Redenção

A Copiosa Redenção promove no próximo dia 27 de agosto, na chácara Padre Wilton, no distrito de Uvaia, em Ponta Grossa, o Volta Livre Soul.

Com temática semelhante ao que já é vivenciado, tradicionalmente, no carnaval, o “Volta” trará momentos de espiritualidade com louvor e animação, além de momentos que farão os jovens se mergulharem emuma profunda experiência do amor de Deus.

“Esperamos que os jovens possam vir de coração aberto para vivenciar tudo aquilo que Deus tem desejado para cada um deles. Que eles possam sair do nosso retiro renovados e possam encontrar o verdadeiro caminho, o sentido da nossa vida, que é o amor de Deus.” – Irmã Nayara, CR – promotora vocacional do ramo feminino

Como todos os anos, o ‘volta livre soul’ prepara muitas surpresas e novidades, assim conta a Irmã Nayara: “O volta livre soul sempre tem suas surpresas, mas ainda não podemos revelar. Mas, garanto que vai ser sensacional, incrível. Jovem, você não pode ficar de fora! Estamos te esperando!”

Para participar do retiro, os interessados devem acessar o site: http://abre.ai/voltalivresoul2022.

Religiosos da Copiosa Redenção evangelizam pelas redes sociais

Os religiosos da Copiosa Redenção têm mantido a realização de transmissões ao vivo pelas redes sociais, evangelizando aqueles que, por algum motivo o outro, não podem comparecer aos grupos de orações, ou mesmo, de celebrações presenciais.

A Irmã Zélia, CR, por exemplo, conhecida por suas transmissões, seja pelo instagram ou pelo youtube, está rezando com seus seguidores o Cerco do Rosário, uma proposta programada dentro do seu livro, o Planejamento Espiritual. A transmissão acontece até o dia 22 de agosto pelo canal do youtube. Os seguidores da Irmã podem também enviar suas intenções pelo site: www.irmazelia.com.br/rosario

Já os Irmãos da Copiosa Redenção estão realizando, diariamente, às 12h pelo horário de Brasília, a Quaresma de São Miguel. A transmissão ocorre nos perfis @copiosa_irmaos e pelo do Padre Fernando (PeFernando_CR) no instagram. A quaresma de São Miguel acontece entre os dias 15 de agosto a 29 de setembro.

Manipuladores e Manipuláveis

Manipuladores e Manipuláveis

Por Irmã Silvia Cristina Maia, CR

Existem muitos “lobos em pele de cordeiro” bem perto, aqui dentro de nós.

Quando você pede a alguém para fazer algo para você, é melhor dar as razões reais para que isso seja feito ou oferecer as razões que tenham mais peso? Pode-se responder: Eu ofereço as razões reais, porém, apenas escolho dentre elas as que têm mais peso! 

Segundo Tamás Bereczkei “todas as pessoas ordinárias podem exibir um certo nível de pensamento maquiavélico”. Você sabe quais eram as características de um líder para o filósofo Nicolau Maquiavel? A manipulação, a amoralidade, o cinismo, a frieza emocional e a falta de empatia. 

A pergunta faz parte de uma série de questões de um teste psicológico sobre a manipulação, porém, a resposta é comum a todos nós que não reconhecemos o quanto a dinâmica da manipulação está presente em nossas vidas. A dinâmica de manipulação das mentes mais maquiavélicas está presente também em nós, na “manipulação nossa de cada dia”. Manipulamos a nós mesmos, aos outros, e tentamos manipular a vida e o próprio Deus.

Por exemplo: Quando dizemos que vamos começar aquela dieta na segunda-feira, ou quando procuramos inúmeras razões para não encontrarmos determinada pessoa, ou ainda, quando pedimos incessantemente a Deus aquilo que aos nossos olhos parece o melhor. 

Dentre todas elas escolhemos explorar aqui a Manipulação.  Existe um lado sombrio da manipulação, uma forma de ludibriar as pessoas em benefício próprio. Contudo, manipuladores são também aqueles que justificam suas ações, seus objetivos com base em algo bem racional, levando os outros a pensarem que fariam o mesmo em seu lugar e para conseguir o que realmente querem podem elogiar, fingir cooperação e compreender conforme a situação (Cf. Bereczkei, 2019).

E agora?! Será que já conseguimos reconhecer algo de nós nessa descrição?

Bom, parece que existe em nosso cotidiano mais manipulação do que pensamos, somos manipuladores e também manipuláveis, pois normalmente a pessoa que começa um esquema de manipulação acaba tendo uma certa influência dentro de um grupo e leva boa parte do grupo, senão todo ele, a acreditar que a forma como pensa e age é correta e até mesmo justa. 

Em menor ou maior proporção somos manipulados e manipuladores. Antes de criticar ou condenar use seu tempo para olhar com profundidade para dentro de si, avalie-se e busque todos os dias o caminho da Verdade. Você sempre terá a oportunidade de escolher entre criticar ou reconhecer-se em busca do crescimento.

ReferênciasBERECZKEI, Tamás. Mentes Maquiavélicas. A psicologia da Manipulação. Petrópolis: Editora Vozes, 2019.

5 práticas para uma boa saúde psicológica na vida religiosa

Um consagrado é alguém “separado” para o Sagrado, para Deus. Quando alguém faz a oferta de si a Deus está afirmando com sua vida que é todo Dele.  

Esse caminho prevê que seu corpo, sua alma e sua mente direcionarão todos os seus esforços em vista de uma missão, de um estilo de vida. 

No entanto, um risco que se corre é o descuido consigo mesmo, em especial com a saúde psicológica. São os desafios da missão, as relações fraternas, as exigências consigo mesmo para corresponder à evangelização, a busca pela santidade, a renúncia dos afetos e desejos, tudo isso pode ocasionar uma sobrecarga emocional e psíquica. 

Por isso, confira algumas dicas para ajudar você a ter mais saúde e qualidade de vida

1 – Encontre meios de descontração 

A vida religiosa costuma propor uma dinâmica ordinária de oração, apostolado e vida comunitária. Celebração da Missa, Rosário, leitura espiritual, Lectio Divina, atendimentos de oração e confissão, assistência social, educação, formação, busca de donativos, relacionamento com benfeitores.

Porém, em meio a tudo isso, o religioso precisa aprender a descontrair-se, encontrando o que lhe causa prazer. Pode ser a leitura de bons livros, um passeio, a contemplação da natureza, um bom filme, um jogo de tabuleiro, enfim, são muitas as possibilidades. 

O importante é que a mente tenha “canos de escape” para extravasar as tensões, canalizar os medos e fortalecer a alegria e o prazer.

2- Discipline-se para o repouso 

Parece ser contraditório ou paradoxal utilizar o verbo “disciplinar” para o substantivo “repouso”. Porém, para muitos religiosos é necessário criar uma estrutura de disciplina também para o descanso. 

Há uma confusão entre descontrair e descansar o corpo. A descontração favorece o imaginário, a memória, os afetos, as emoções. O repouso, o descanso físico, proporciona bem-estar e qualidade de vida, interferindo fortemente na boa saúde psicológica. 

Muitos, ao fim do dia, passam horas nas redes sociais “descontraindo”, ao invés de dormir um pouco mais e descansar a mente e o corpo. Além dos malefícios do uso das telas para boa qualidade de sono, a falta de disciplina em dormir em um horário para acordar em outro que proporcione uma janela de sono satisfatória compromete a saúde. 

Portanto, é necessário que se estabeleça uma rotina de sono que o religioso durma em média de 7 a 8 horas, como orienta a Fundação Nacional do Sono. 

Leia também A ansiedade na vida religiosa

3 – Não se descuide da alimentação 

Uma alimentação balanceada, rica em nutrientes, com uma vasta opção de frutas, legumes e vegetais, possibilita boa qualidade de saúde física e psicológica. Já os industrializados, ou uma rotina de alimentos ricos em carboidratos e açúcares comprometem o bom desempenho metabólico. 

Por isso, é indispensável que as comunidades religiosas ofereçam uma alimentação planejada e ajustada às demandas de cada religioso. 

4 – Fortaleça a vida de oração 

Sim, é comprovado pela ciência e pelos mais de 2 mil anos de história da vida consagrada na Igreja que a vida de oração é indispensável para a saúde psicológica. 

É diante de Deus que o ser humano se coloca com sua verdade e seus medos. Por isso, o religioso não pode se descuidar dos seus compromissos espirituais, de uma vida espiritual autêntica e profunda, aos moldes do Carisma ao qual foi chamado. 

É vivendo na intimidade de cada morada, como ensina a Mestra espiritual Santa Teresa de Jesus, que os religiosos encontram o jugo suave e o peso leve do qual Jesus fala nos Evangelhos. 

5 – Peça ajuda profissional, se necessário 

Algo que precisa sair do imaginário dos religiosos é o preconceito com o acompanhamento profissional em vista do psicológico. Ainda há muitos superiores ou mesmo irmãos e membros de Ordens que não lidam bem com a possibilidade de exposição das suas dores e angústias com um profissional. 

No entanto, para a boa saúde psicológica é importante a escolha de bons terapeutas e psiquiatras que orientem, mediquem, quando necessário, e compreendam a vida e a escolha dos religiosos. Por isso, a Congregação para vida consagrada prevê que os superiores escolham bons profissionais, alinhados com a fé e com o espírito da vida consagrada. 

Conclusão 

Se o religioso está sempre atento aos sinais do seu corpo e da sua mente, cria uma rotina que proporciona tempos de oração, descanso e trabalho, provavelmente encontrará realização e sentido de vida. 

Foi pensando em você, que tem dedicado sua vida em servir e cuidar dos outros, que preparamos estas 5 práticas para serem inseridas no seu projeto de vida pessoal, urgentemente. Leia, reflita, aprofunde-se e faça o firme propósito de vivenciá-las.

Quais os cuidados com a saúde necessários para a pessoa idosa?

Envelhecer é uma verdadeira bênção. No entanto, uma vida longa exige uma atenção especial, sobretudo com o bem-estar e a qualidade de vida. Quem tem um idoso em casa conhece a necessidade dos cuidados com a saúde dessa pessoa.

Na mensagem para o Dia dos Avós de 2022, o Papa Francisco nos fala sobre os idosos darem fruto mesmo na velhice e o quanto suas vidas importam. O pontífice diz que “os idosos não são proscritos de quem se deve estar à larga, mas sinais vivos da benevolência de Deus que efunde a vida em abundância”.

Ou seja, são vidas valiosas e a terceira idade é um tempo precioso, de graças e ensinamentos para eles e para quem está perto. No entanto, a velhice precisa ser vivida com qualidade de vida, bem-estar e alegria. 

Logo, o primeiro passo para oferecer tudo isso é cuidando da saúde, atendendo as necessidades e valorizando as particularidades de cada um. Há algumas maneiras de fazer isso de forma mais prática. 

A importância dos cuidados com a saúde do idoso

Nós sabemos que com o passar dos anos vamos ficando mais vulneráveis e nossa saúde vai se degradando. Nosso corpo e nossa mente se enfraquecem. Caminhos que antes eram percorridos em 2 minutos, agora precisam de 5, além de muitas outras mudanças que vão acontecendo em nossa vida e em nosso corpo. 

Porém, apesar de comum, podemos fazer com que isso seja minimizado. É possível que a pessoa viva a terceira idade com saúde, alegria, disposição e que esse realmente seja um tempo de muitos frutos, como nos lembra o Papa Francisco. 

Portanto, é tão importante darmos a devida atenção para esse assunto. A seguir queremos sugerir alguns cuidados que podem transformar a terceira idade do seu parente idoso. 

Respeite a individualidade do idoso

Nós sabemos que quando uma pessoa envelhece ela precisa de cuidados especiais, de atenção e quase de um segurança 24h. No entanto, a superproteção pode prejudicar a saúde emocional do idoso.

Imagine só, você trabalhou durante anos, foi responsável por uma casa, uma família e deu conta de tudo. E, então, de uma hora para a outra, alguém não te deixa mais tomar suas decisões, nem fazer algo que você costumava fazer diariamente e suas decisões e vontades não são mais respeitadas. É um choque, não é mesmo?

Pois é, os idosos se sentem frustrados com isso e não é à toa. Portanto, respeite os seus avós, pais ou tios. Permita que eles realizem coisas e valorize suas opiniões, incentive as ações. Ainda que precise de mais atenção e cuidado, eles merecem isso. 

Os cuidados com a saúde: corpo e mente

A alimentação balanceada, a prática de atividades físicas e o cuidado com a saúde mental são essenciais em qualquer fase da vida, especialmente na velhice. 

São áreas que não podemos ignorar, pois tudo fica mais frágil nessa época. Então, incentive que a pessoa idosa da sua família se movimente, faça consultas regulares com médicos e cuide da saúde mental.

Nessa idade, os sintomas de doenças mentais podem ser facilmente confundidos com tristeza do dia a dia, cansaço ou apenas um sintoma da velhice. Esteja atento, cuide com mudanças de humor e com pensamentos negativos. 

Os laços sociais e a presença da família

É na terceira idade que o sentimento de solidão se torna mais forte e frequente. Especialmente porque muitos idosos se isolam e não mantêm mais nenhum tipo de interação social, não saem de casa, não vão à igreja, ficam sem amigos e a família está sempre ocupada demais com as obrigações.

O problema é que a solidão pode ser prejudicial para a saúde dos idosos, principalmente para aqueles que estão com sua mobilidade deteriorada.

Para cuidar disso, reserve sempre um tempo para fazer com que esse idoso se sinta querido e amado. Converse com ele e, se possível, leve-o para passear, incentive as amizades. Uma alternativa é procurar clubes de idosos, assim ele pode conviver com outras pessoas que estão passando pelo mesmo.

Espiritualidade também é um cuidado com a saúde

É comprovado que um idoso com fé e uma espiritualidade viva e fortalecida passa pela velhice de forma mais saudável e tranquila. 

Portanto, incentive a oração, a participação nas Missas e encontros da Igreja. Os idosos com fé e Deus no coração podem fazer uma revolução da ternura no mundo, como diz o Papa Francisco em sua mensagem do Dia dos Avós.

Mantenha os idosos em segurança

É importante que os idosos estejam seguros. Ou seja, que eles possam andar pela casa sem perigo de cair e se machucar. Mas estar seguro também é se sentir confortável em casa, em meio às pessoas, ter carinho, ter cuidado e amor.

Caso a segurança do idoso esteja em risco, talvez seja a hora de pensar em levá-lo para outro lugar, como um Lar onde ele possa receber todos os cuidados para a sua saúde e bem-estar. 

Por fim…

Para concluir, queremos salientar que ser saudável não diz respeito apenas a ausência de doenças, mas trata-se também do equilíbrio entre saúde física, mental e social. Por isso, todos esses pontos apresentados são tão fundamentais e merecem atenção.

Valorize o seu familiar idoso, coloque em prática os cuidados com a saúde dele e ofereça o melhor que você puder. Aprofunde-se mais nesse cuidado e atenção lendo outros artigos em nosso site.

Qual a importância da saúde emocional na vida religiosa?

A vida religiosa não é uma profissão ou uma carreira. Ser religioso é abraçar o seguimento de Jesus Cristo, por meio de um Carisma Vocacional que abarca um estilo de vida próprio. Portanto, quem se torna religioso volta sua vida inteira para uma consagração de vida. Ou seja, sua história, com feridas e desafios, seu presente com suas lutas e dificuldades, e seu futuro com suas incertezas. Tudo é colocado nas mãos de Deus.

Desse modo, o ser inteiro com sua psique, seu corpo, sua inteligência e vontade, sua afetividade e memória, suas emoções, tudo ingressa na família religiosa. Por isso,  não é incomum que religiosos e sacerdotes vivenciem momentos de depressão e ansiedade, estafa ou síndrome de Burnout. 

Inclusive, santos e santas na história da Igreja tiveram relatado em suas biografias momentos difíceis, com suas emoções profundamente abaladas. Desse modo, fica claro como é importante ter saúde emocional na vida religiosa.  

Entenda melhor aqui conosco como as emoções interferem na vida religiosa, assim como encontre dicas para manter sua saúde emocional. Confira! 

As emoções na vida religiosa 

Assim como é dito sobre os sacerdotes, o religioso é um homem ou uma mulher, escolhidos por Deus, no meio dos demais homens e mulheres. Essa escolha não faz dele uma espécie de santo súbito ou de um super-herói. Suas fraquezas, lutas e desafios humanos continuam latentes, mas devem ser canalizados para a missão e a espiritualidade. 

Amedeo Cencini, sacerdote canossiano e um dos principais nomes quando se refere à psicologia e vida consagrada, costuma usar a expressão “integração”, ou seja, a união entre o eu “ideal” – o santo, o religioso perfeito – e o eu “real – o homem que continua sendo instrumento desse chamado extraordinário. 

Na vida ordinária de uma família, o desequilíbrio emocional causa diversos desafios como desentendimentos, impaciência, incapacidade de relacionamento ou mesmo de trabalho, tristeza e depressão. De igual modo, a vida comunitária das ordens e congregações são fortemente atingidas quando há um irmão, sacerdote ou irmã ficam emocionalmente fragilizados.

Consequências de não cuidar da saúde emocional

Para deixar isso ainda mais claro, vamos apresentar algumas consequências sentidas na pele por aqueles que não cuidam da sua saúde emocional na vida comunitária e religiosa. 

Uma situação comum no meio comunitário é quando alguém começa a provocar ou a se colocar em situações desagradáveis, como discussões e confusões sem objetivo claro. Quando muitos dizem: “Parece que só quer implicar!”. Na verdade, é necessário que se ligue um pisca-alerta. 

Isso fica ainda mais evidente quando o religioso passa a ter problemas de relacionamento com pessoas ao redor, incluindo irmãos da comunidade, amigos, colegas de apostolado ou até do povo de Deus. O que pode gerar dificuldades interpessoais sem tamanho. 

Além disso, é possível que o religioso passe por momentos de crise emocional, com choros frequentes, sintomas como tremedeiras, sudorese, taquicardia, medo sem causa aparente, sensação de desmaio, tonturas, entre outros. Irritabilidade, falta de paciência, síndrome de perseguição e vitimismo são outras características comuns. 

Como ter saúde emocional no cotidiano comunitário

Portanto, em cada situação da vida cotidiana é necessário, inicialmente, evitar o exagero nas emoções negativas e investir no que é positivo. É comum, sobretudo para pessoas com temperamento mais frio, tenderem a se focar sempre na parte mais difícil das coisas. 

São João Paulo II nos ensina: “Tu te tornas aquilo que contemplas”. Sendo assim, ao invés de nos focarmos no que é negativo é importante contemplarmos o que é bom, positivo, belo e sagrado para manter a saúde emocional.  

Além disso, é importante que se cuide da saúde física, com uma alimentação balanceada e exercícios físicos. A vida sedentária e uma alimentação desregulada influencia diretamente nos hormônios do prazer e bem-estar, gerando desequilíbrios nas emoções. Outra dica importante é: atenção com o uso de redes sociais. 

Há muitos religiosos enfrentando sérios quadros emocionais por questões relacionadas ao vício em redes sociais, ou mesmo insatisfação com a própria vida por contemplar a vida virtual de terceiros e seus exageros, ao invés da vida real, escolhida.  

Desse modo, religiosos e sacerdotes não podem ficar desatentos às suas emoções. Além disso, a qualquer sinal de desequilíbrio é preciso parar, refletir e decidir-se mais uma vez pela saúde física e mental, equilibrando o emocional e recomeçando. Se necessário, busque um acompanhamento e ajuda de profissionais dedicados e com experiência com religiosos.